Muito construída no imaginário das pessoas, a figura do chefe é a de um ser temido no ambiente organizacional: aquele visto como intocável, impiedoso, que dificilmente pensa em alguém além de si — e que tem sua visão direcionada única e exclusivamente para o resultado do trabalho.

Provavelmente, você já esbarrou com alguém assim em alguma das suas experiências, não é mesmo?

Pois bem, muita coisa mudou. Com o mercado dando a devida importância para o capital humano e para a gestão de pessoas, surge a figura do líder como alguém que cumpre um papel de orientação muito maior do que o de chefia e que remete ao motivacional e não ao medo. Mas líder e chefe possuem alguns pontos em comum que podem tornar confusas suas determinações.

Por isso, preparamos um material completo para você entender, definitivamente, as características do líder e do chefe e em qual papel você se encaixa diante da sua equipe. Confira!

Quais as características de um chefe?

Não é muito difícil entender quem é um chefe. Olhe ao seu redor e perceba aquele que age como a autoridade máxima no seu campo de atuação.

Suas preocupações estão ligadas diretamente com a sua imagem, o que faz dele um microgerenciador: nada passa sem que ele aprove e todos precisam de sua supervisão. Apesar disso, não se confunda: ele é pouco acessível para conversas e está pouco disposto a ouvir críticas relativas ao seu trabalho.

Geralmente, não se sente parte da equipe, mas, sim, alguém que está acima dela, ditando o que deve ser feito para todo o corpo de funcionários que tem. Gosta bastante de dar ordens e não poupa ninguém na hora de mostrar quem está no comando.

Jamais admite seus erros: se a empresa está crescendo, assume o protagonismo do momento — caso contrário, coloca a culpa em todos os outros envolvidos que não ele mesmo.

Não pensa no bem-estar coletivo e está voltado sempre para o lucro, o que gera fluxo de receita para a organização, mas deixa de lado seu principal capital: o humano.

Resumidamente, um chefe:

  • centraliza o poder;

  • dá ordens e é difícil de estabelecer diálogo;

  • lidera pela autoridade e pelo medo;

  • leva os créditos sozinho pelos resultados;

  • direciona seu trabalho para o lucro;

  • desmotiva a equipe com seus atos.

Quais as características de um líder?

O líder caminha na direção oposta das atitudes observadas em um chefe. Esse profissional é sempre visto como um orientador, que mostra o caminho a ser seguido pela sua equipe — porque sim, ele também se considera como parte de uma grande engrenagem que faz o negócio funcionar.

O líder tem uma atuação muito voltada para a gestão de pessoas, sendo capaz de filtrar a opinião de todos envolvidos na equipe e fazer com que as principais demandas individuais sejam atendidas.

Sua relação com os colaboradores é mais aberta, criando um canal de relacionamento e confiança. Suas decisões são baseadas no bem coletivo. Prefere sempre o compartilhar ao centralizar.

Mais do que isso, o líder tem um grande papel de preparador para que toda a equipe caminhe rumo ao desenvolvimento coletivo, focando mais nos ganhos em longo prazo do que em resultados imediatos. Por confiar nas pessoas com quem trabalha, tem uma facilidade maior de assumir seus erros e crescer a partir deles.

Guia para todos os momentos, está voltado sempre para o coletivo, o que motiva os colaboradores e favorece a produtividade de todos.

Resumidamente, um líder:

  • inspira e motiva sua equipe;

  • compartilha resultados;

  • lidera pelo exemplo;

  • desenvolve sua equipe;

  • direciona o seu trabalho para as pessoas;

  • pensa no bem comum antes da tomada de decisão.

Entre líder e chefe, de qual lado você está?  

Não é fácil o caminho para se tornar um líder. Para tanto, é preciso ter, principalmente, confiança, por parte do profissional, em seu trabalho e no de sua equipe. Trata-se de um processo que precisa ser cuidadoso, e que pode ser um pouco mais lento do que o esperado.

Muitas pessoas não têm a liderança como algo nato, buscando desenvolver aspectos importantes por meio de treinamentos e capacitações. Para se manter atualizado, esse é um movimento que deve acontecer durante toda a sua vida profissional: enquanto estiver à frente de uma equipe, o profissional precisa se atualizar e conhecer as melhores maneiras de conduzir pessoas. Isto fará com que ele evite o pior: o comodismo, os vícios de trabalho e tornar-se um chefe, como nunca quis ser.

Mas é importante pontuar que ser líder não significa deixar de tomar decisões mais incisivas, por exemplo. Elas vão acontecer, porém pautadas em opiniões que tentem sempre priorizar o bem comum.

Do que sua equipe precisa?

Mais importante do que o papel que você deseja exercer, é entender qual é o momento e a necessidade da sua equipe. Muitas vezes, o discurso motivacional e o debate não funcionam para um grupo de pessoas acomodadas ou desmotivadas com o ambiente de trabalho.

Nessas situações, equilibrar os papéis entre líder e chefe é fundamental: cumpra sua atribuição de líder, exerça a cobrança, mas não se coloque como alguém acima do bem e do mal — você ainda é parte da equipe e do trabalho que está sendo entregue.

Isso é importante para que todos vejam que tem alguém olhando o trabalho como um todo e fazendo com que os resultados aconteçam. A firmeza e a motivação podem andar de mãos dadas, desde que você mantenha o equilíbrio entre elas.

E você, está de qual lado entre líder e chefe? Quais das características mencionadas parecem mais com o seu perfil de trabalho? Quais você acha que pode melhorar para se tornar alguém mais inspirador diante da sua equipe?

Esses podem ser os primeiros passos para você sair do lugar-comum e virar a chave de transformação da sua postura perante a equipe, tornando-se, cada vez mais, alguém que motiva os outros a mostrar suas melhores versões no ambiente de trabalho, afetando diretamente no bem-estar e na produtividade geral.

Gostou do post? Aproveite para conhecer os principais tipos de liderança e como elas refletem diretamente no ambiente organizacional!

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Os campos marcados são necessários *